Notícias

Mancha florestal da freguesia é espaço de eleição para a prática desportiva

Orgens Pela primeira vez, a Freguesia de Orgens está a ser liderada por um Movimento Independente “que continua a estar perto das pessoas e a resolver os seus problemas”. Conheça uma das 25 freguesias do concelho de Viseu que, embora seja urbana, tem algumas características rurais

por: Catarina Tomás Ferreira

Com uma população de aproximadamente 3.500 habitantes, a Freguesia de Orgens ostenta no seu território uma grande área florestal e ainda tem marcas rurais, predominando a agricultura de subsistência, muito graças ao regadio, aos fontanários, aos ribeiros e aos moinhos.

O presidente da Junta de Freguesia, Mauro Esteves, que foi o primeiro presidente eleito por um Movimento Independente (Movimento Independente pela Freguesia de Orgens – MIFO), alertou para o perigo em que se encontra a Serra do Crasto e elogiou um “novo olhar” que foi dado à lei. “Ao nível da floresta, sem dúvida um dos grandes ex-líbris desta freguesia, a Serra do Crasto poderá estar em perigo iminente, pelo que a Junta de Freguesia tem vindo a desenvolver esforços, a emitir os alertas que considera necessários para a prevenção e manutenção da mesma”, afirmou.

Mauro Esteves referiu que a lei que “altera o sistema de defesa da floresta contra incêndios levou as autoridades nacionais, nomeadamente o ICNF [Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas], os baldios de Travassós de Orgens e São Martinho de Orgens e os proprietários em geral, a encetarem as correcções necessárias na grande diversidade de árvores autóctones, na limpeza da mata, tendo por base a protecção da população”.

Aproveitamento da floresta

Em conjunto com os baldios, a Junta de Freguesia tem tentado explorar trilhos e ocupado espaços existentes no território para desenvolver diversas actividades. Exemplo disso é o projecto de adaptação do campo de futebol do Vale Escuro a carreira de tiro, uma ideia que “está a começar a ganhar forma, tendo as entidades das forças policiais e militares concordado que este seria um projecto necessário ao distrito de Viseu para a prática desportiva e legal de quem usa arma de fogo”.

Mauro Esteves adiantou que a Serra do Crasto já é aproveitada para provas de atletismo, BTT e Trail, que costumam ter centenas de inscritos, e “cuja dureza e resistência são características que atraem participantes nacionais e internacionais ano após ano”. “Considerando que a floresta assume um papel de extrema importância, assumimos a necessidade de a dotar de recursos, que permitam responder de forma mais activa às novas tendências e estilos de vida das pessoas que procuram os benefícios da natureza para a sua saúde e bem-estar”, sustentou.

Outro dos recursos da freguesia que proporcionam mais qualidade de vida é a Ecopista do Dão. A freguesia é atravessada por esta ciclovia que é muito utilizada ao longo de todo o ano, mas “carece de melhoramentos substanciais, nomeadamente na limpeza e manutenção, na requalificação e adaptação dos antigos apeadeiros a projectos que têm sido apresentados por algumas entidades e associações incluindo da Junta de Freguesia de Orgens”.

Orgens precisa de obras estruturantes reclamadas há anos

O presidente da Junta de Freguesia de Orgens, Mauro Esteves, revelou que a freguesia precisa de “obras estruturantes a diversos níveis e em diversos locais”. “As obras mais importantes são as que resolvem os problemas junto das pessoas. Pequenos problemas que se arrastam há anos e que todos os dias causam incómodo aos moradores”, frisou o autarca.

Mauro Esteves deu como exemplo a circular prevista e traçada entre a GNR de Pascoal e Paradinha, ainda por executar, “que iria conceder à Freguesia de Orgens uma vasta área com uma maior viabilidade de construção, indústria, comércio, promovendo a acessibilidade, a empregabilidade e sustentabilidade”.

“O atraso na realização desta obra tem condicionado o crescimento de vias de acesso às várias localidades da Freguesia, conjuntamente com o planeamento de cativação de empresa e indústrias que possibilitem a instalação de postos de trabalho”, criticou o presidente.

Além desta promessa nunca cumprida, “falta um acesso directo e condigno da zona este da cidade de Viseu à Avenida dos Namorados, em Orgens”, apontou o autarca

Festa cultural e recreativa vai juntar forças vivas da freguesia

Pela primeira vez, a Freguesia de Orgens vai ter uma festa cultural, recreativa e desportiva, que pretende juntar associações, escolas e a paróquia. O objectivo é desenvolver diversas actividades além das noites de Rock e Pop de 7 a 9 de Junho.

“Em termos culturais e recreativos, a freguesia depende das associações que têm levado a cabo este importante papel junto da população cada vez mais envelhecida, com o parco, mas indispensável, apoio da Junta de Freguesia. Pretende-se cativar os jovens na participação destas actividades e no desenvolvimento dos seus projectos, existindo para tal um plano que será posto em prática a curto prazo”, adiantou o presidente da Junta, Mauro Esteves.

O Centro Social e Cultural de Orgens está a construir uma ERPI (lar de idosos), estrutura fundamental para a região, que vai certamente dignificar a Freguesia capacitando-a de mais emprego e valências; sendo de salientar igualmente o interesse da ASDREC – Associação de Quintela de Orgens – na construção de um polidesportivo para responder às necessidades existentes na componente desportiva e musical. As associações de Tondelinha e São Martinho de Orgens continuam muito dinâmicas igualmente com projetos muito interessantes para a comunidade.

MIFO eleito para liderar destinos da freguesia

O Movimento Independente pela Freguesia de Orgens (MIFO) apresentou, nas últimas eleições autárquicas, uma lista para a Junta de Freguesia e ganhou o escrutínio. Da ausência de participação dos jovens em actividades como o associativismo surgiu a lista de independentes “com base num conceito mais actual e dinâmico”.

“Este grupo permanece activo em torno de grandes ideais e valores como a integridade, a honestidade, o profissionalismo e o rigor, traçados desde o primeiro dia em que decidiram fazer mais e melhor pela sua terra”, elogiou.

Segundo disse, o objectivo deste executivo é estar perto das pessoas e ouvi-las para resolver os seus problemas. Do executivo anterior, este herdou uma “situação financeira sem dívidas, com um cash-flow considerável para o desenvolvimento da actividade normal da autarquia”.

O facto de ser independente não lhe trouxe qualquer problema, muito pelo contrário: no primeiro ano de mandato foi “muito bem recebido” pelo presidente da Câmara de Viseu e vereadores, que “manifestaram uma atitude receptiva e de interesse na resolução dos problemas da Freguesia de Orgens”.

Em dois anos, este grupo de cidadãos independentes já fez algumas alterações, nomeadamente na área das novas tecnologias (criou endereço de e-mail, página de Facebook e site da Freguesia). Para melhorar a gestão dos processos que dão entrada na Junta, o executivo instalou uma ferramenta de gestão que permite “estar sempre ao corrente dos problemas de um determinado tipo, de uma determinada aldeia, com vista a uma determinada estrutura no município”.

“Actualmente, existe um projecto, que finalizará em Março, para a criação de um edital digital que será instalado na sede da Junta e possibilitará a actualização de forma mais rápida e centralizada de toda a informação que deve constar num edital tradicional”, avançou.

Sobre a vitória de um movimento independente, Mauro Esteves respondeu com um lema: “Acreditarmos foi essencial, mas a atitude faz toda a diferença”.